Sobre o Projeto

Através de uma parceria com instituições e ateliês, das quatro regiões escolhidas, foi possível reunir os 176 artistas que aceitaram o convite para fazer parte da coleção de gravuras. Foram montadas oito caixas que hoje fazem parte da reserva técnica das seguintes Instituições e ateliês:

 

São Paulo – SP

Maria Pinto e Maura de Andrade

Pinacoteca do Estado de São Paulo

 

Porto Alegre – RS

Museu do Trabalho

Pinacoteca Aldo Locatelli,

 

Rio de Janeiro – RJ

Oficina de Gravura Carlos Oswald -Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro  

Biblioteca Nacional do RJ

 

Recife – PE

Oficina do Tempo – Suzana Azevedo

MEPE – Museu do Estado de Pernambuco

Mapas de Influências – arte postal

em Porto Alegre
no dia 28 de julho, entregamos a caixa de gravuras ao Museu do Trabalho
Rua da Praia, 230. Porto Alegre – RS museu@museudotrabalho.org
www.museudotrabalho.org
E nesse dia, os artistas participantes decidiram que a outra caixa da cidade seria depositada na Pinacoteca Aldo Locatelli – da Prefeitura da cidade.
no Rio de Janeiro
dia 23 de julho, a partir das 13h30, estaremos entregando a Caixa de Gravuras – Mapas de Influências ao ateliê parceiro na cidade – Oficina de Gravura Carlos Oswald – LAO
Rua Frederico Silva, 86, Praça XI, Centro,
Liceu de Artes e Ofícios do Rio de Janeiro – Rio de Janeiro / RJ
Tel.: (21) 2277-7600 e (21) 9161-7270
em Recife
no período de  11 a  21 de julho, as artistas Maura de Andrade e Maria Pinto estiveram na cidade entregando a Caixa de Gravuras – Mapas de Influências ao ateliê parceiro – a Oficina do Tempo, na pessoa da artista Suzana Azevedo.
Entre as diversas atividades, realizamos conversas com os artistas: Samico, J. Borges, Renato Valle, Paulo Dias, Ypiranga Filho, Gil Vicente, Eudes Mota, Inalda Xavier entre outros.
A todos os artistas que participaram da caixa e nos acolheram com tanto carinho, o nosso muito obrigada e a certeza de novos projetos em conjunto.
EXPOSIÇÃO
primeira exposição do MAPAS DE INFLUÊNCIAS – São Paulo
de 5 de maio a 31 de maio de 2012

Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro – Cep: 01123-001 – São Paulo – SP
Telefone: (11) 3221-4704
oswalddeandrade@oficinasculturais.org.br
Funcionamento: Segunda a sexta 9h às 22h e sábado das 10h às 18h

para mais informações
veja o blog:
essa exposição e o bate papo fazem parte da programação da SP ESTAMPA
sp estampa

SOBRE o PROJETO

Seguindo o percurso de quatro artistas: Oswald Goeldi Lívio Abramo, Lasar Segall e Axl Leskoschek, atuantes no Brasil, da década de 20 ao final da década de 50, o projeto tem como objetivo reunir um material gráfico concentrando-se na produção atual de alguns artistas na gravura em quatro estados do Brasil: São Paulo – SP, Rio de Janeiro- RJ, Recife – PE e Porto Alegre – RS

Caminhos abertos por Segall, Goeldi, Abramo e posteriormente Leskoschek elevaram a gravura à categoria de linguagem expressiva nacional por excelência, construíndo uma tradição na formação dos artistas até os dias de hoje.

O desenvolvimento da gravura brasileira livre da necessidade de meio de reprodução gráfica se dá no início do século XX.

A gravura brasileira tem características particulares de acordo com a região que se produz, pois ela é uma forma de expressão muito ligada a historia, tradição e atmosfera local. A multiplicidade sempre foi a sua aliada na divulgação de imagens e informação sem discriminação. Quando elegemos Goelde, Lívio, Segall e Leskoschek percebemos que há uma característica semelhante entre eles, todos tiveram uma influência européia no aprendizado e a produção surge em um período de guerra, pós-guerra e revoluções, com muitos refugiados espalhados pelo mundo. Artistas do sul e sudeste do Brasil vão retratar a vida do proletariado e um realismo social. No nordeste brasileiro utilizam-se dos elementos fantásticos – caboclos, santos, anjos, monstros, diabos e bichos – para narrar a vida do povo.

Um breve histórico da vida de cada artista escolhido mostra uma trajetória da gravura brasileira:

Oswald Goeldi, carioca, Rio de Janeiro. Vive a infância em Belém e a juventude na Suíça, com formação acadêmica na Escola Politécnica de Zurique e depois École des arts et Mitiers em Genebra. Volta para o Brasil e tem aulas de xilogravuras em 1927 com Ricardo Bampi no ateliê localizado na Praia de boa Viagem – RJ. Bampi foi um brasileiro que nasceu em Amparo em 1896, mas viveu na Alemanha praticamente toda sua vida, tendo uma curta passagem pelo Brasil. Na Escola Nacional de Belas Artes Goelde teve alunos como: Adir Botelho, Gilvan Samico, Newton Cavalcanti, Hugo Mund, Sérgio Campos Melo e Antonio Dias. Rubens Gerschmann, Darel e Marcello Grasmann já relataram que receberam influência goeldiana. E como o mestre a repassaram para centenas de alunos da FAAP, entre eles: Newton Cavalcanti e Isa Aderne Vieira.

Lívio Abramo, paulista de Araraquara. Nos anos 30 e 40 suas gravuras retratam a simplicidade da vida proletária dos subúrbios (série operários) e na militância, denúncia a monstruosidade da guerra (série Espanha). Depois dos anos 50 após conhecer o professor Alemão Adolphe Kohler, adquiri um refinamento técnico na construção de suas imagens, dos temas sociais desenvolve-se para o abstracionismo temático, de ricos efeitos gráfico. Foi professor junto com a Maria Bonomi, no Estúdio Gravura de: Camila Cerqueira Cezar, Hanss Grudzinski, Hanna Brandt, Zita Barros, Tereza Labriola e muitos outros.

Axl Leskoschek– Austríaco. Vem para o Brasil refugiado da guerra em 1939 – tendo um papel importante na formação de vários artistas brasileiros. O curso que realiza em seu ateliê no bairro da Glória, Rio de Janeiro, entre 1947 e 1948, recebe cerca de 30 alunos, entre eles: IvanSerpa (1923 – 1973), DécioVieira (1922 – 1988), EdithBehring (1916 – 1996), TeresaNicolao (1928) e FaygaOstrower (1920 – 2001). ReninaKatz (1926).

Lasar Segall – Lituano, estuda em Berlim em 1907 e 1909 depois vai para Dresden em 1910 como aluno instrutor na Academia de Belas Artes. Em 1923 muda-se para o Brasil. A obra ou o exemplo de Segall influenciaram o próprio Livio Abramo, Carlos Scliar e Yolanda Mohalyi.

Surgem neste período ateliês que irão trabalhar com o expressionismo envolvendo temas político-sociais e a vida urbana. A exaltação do popular, dos costumes regionais, das festas, como dimensão fundamental e integradora do homem e da terra brasileira nas atividades. Destacaram-se dois ateliês localizados nos extremos do país:

Ateliê Coletivo do Recifecom Samico, que se beneficia dos ensinamentos de LívioAbramo e de OswaldoGoeldi, seus professores em 1957 e 1958, respectivamente.

Clube de Gravura Gaúcho– de Porto Alegre e Bagé que terão influências das obras de Lasar Segall e do México através do Taller Grafica Popular.

Envolver artistas descendentes, das regiões sul, sudeste e nordeste mostrando a diversidade na linguagem gráfica que eles possuem, e ao mesmo tempo resgatando a memória da gravura brasileira tem uma importância de preservação histórica.

1 opinião sobre “Sobre o Projeto”

  1. Gostaria de participar.
    Abbraços, Cris Suiter

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s